DECLARAÇÃO FALSA DE IMPOSTO DE RENDA E CONSEQUÊNCIAS

DECLARAÇÃO FALSA DE IMPOSTO DE RENDA E CONSEQUÊNCIAS

O imposto de renda, nada mais é que um tributo sobre sua renda pago ao governo, ou seja, é variável de acordo com a renda de cada pessoa, seja ela física ou jurídica. Não é necessário que todos os contribuintes declarem, apenas aqueles que possuem uma renda tributável, que é determinada pela tabela de cada exercício.

A Receita Federal está mais rigorosa com cruzamentos de informações, nos últimos anos, além das informações declaradas pelo contribuinte a receita recebe informações dos bancos, empresas, por exemplo.

Caso o contribuinte obrigado omita informações, acidentalmente ou na tentativa de ludibriar o sistema, a Receita Federal adota procedimentos a fim de investigar possíveis fraudes.

No caso da omissão de informações propositalmente o contribuinte pretende pagar menos imposto ou até receber uma maior restituição. Nesses casos o contribuinte pode ficar com o nome sujo, ser multado e até, eventualmente, responder um processo criminal, ao notar divergências no primeiro momento a Receita Federal apenas comunica o contribuinte que existe algo errado e solicita a correção.

Se o contribuinte omitiu, mas espontaneamente acessou o e-CAC e corrigiu o erro, há uma averiguação e caso houver imposto devido, terá uma multa de 0,33%, mais juros de mora por dia de atraso, limitando-se a 20% do valor devido, ao corrigir o erro e pagar multa estará livre dessa dívida, não podendo ser cobrado um valor posterior ou responder um processo judicial.

Se o contribuinte for notificado e ainda assim não corrigiu o erro nem se manifestou, será chamado para se explicar e caso haja confirmação do erro a multa sobre o imposto devido será de 75%.

A Receita Federal tem legitimidade para instaurar um processo administrativo caso surja uma alerta sobre o contribuinte, se a fraude for comprovada e houver má fé, apresentou documento fraudulento com o intuito de ludibriar a Receita, por exemplo, a multa será de150%, se o contribuinte se omitir após a intimação, multa pode chegar a 225% com o acréscimo da Selic.

Os débitos poderão ser protestados em cartório, ocasionando a negativação do contribuinte junto aos órgãos de proteção de credito, e até ingressar com um processo judicial pelo crime sonegação fiscal. Por isso, é muito importante que o contribuinte declare de forma honesta e correta, prestando muita atenção para evitar problemas posteriores.

 

Autores: Marcio Miranda Maia e Caroline de Andrade Lelis

Posts relacionados

Emanuelle De La Noce Fernandes

FORMAÇÃO
• Graduada em Direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP)
• Pós-Graduada “lato sensu” em Direito Processual Civil na Pontifícia Universidade Católica (PUC)

ATUAÇÃO
Advogada com formação em Direito Processual Civil e com larga experiência nas mais variadas disputas judiciais cíveis, ante a tribunais estaduais e federais de todo território nacional, bem como em tribunais superiores em Brasília. Plenamente capacitada à elaboração e negociação de contratos comerciais, civis e imobiliários das mais diversas naturezas. Atuação em processo de estruturação e reestruturações de sociedades.

Natália Rebouças Wolfenberg Winand

FORMAÇÃO
• Graduada em direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP);
• Pós-graduada “lato sensu” em Direito tributário na Fundação Getúlio Vargas (FGV)
• Pós-graduada em direito penal econômico na Fundação Getúlio Vargas
(FGV)

ATUAÇÃO
Advogada sênior com mais de 10 anos de formação e expertise em Direito Penal, com ênfase em Direito Penal Econômico. Com atuação em todas as fases processuais desde o inquérito policial até a fase executória e com alta aptidão para celebração de acordos de não persecução penal, bem como para a resolução de diversos outros temas ligados ao Direito Penal, em todo território nacional.

Ruy Fernando Cortes de Campos

FORMAÇÃO
• Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Pós-Graduado “lato sensu” em Direito Tributário na Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Especialista em Gestão de Operações Societárias e Planejamento Tributário pela Faculdade Brasileira de Tributação (FBT);
• MBA em Gestão Tributária pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis – (Fipecafi);
• Graduando em Ciências Contábeis pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis (Fipecafi)
• Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo

ATUAÇÃO
Advogado com sólida formação em Direito Tributário e experiência de 18 anos na área. Forte atuação no contencioso estratégico com alta efetividade na resolução de litígios fiscais perante os tribunais administrativos e judiciais. Ampla visão estratégica em temas de consultoria fiscal nacionais e internacionais, especialmente dos setores industrial, comercial, agronegócio, bebidas e prestação de serviços.