Rio de Janeiro autoriza pagamento com Precatórios

04_02

Rio de Janeiro autoriza pagamento com Precatórios

No final de 2021, o Estado do Rio de Janeiro publicou a Lei nº 9.532/2021, que autoriza aos contribuintes o pagamento de dívidas tributárias, inscritas em dívida ativa ou parceladas, mediante a utilização de precatórios próprios ou adquiridos de terceiros.

Referida normativa instrumentaliza a possibilidade de o contribuinte ofertar “créditos líquidos e certos que originalmente lhe são próprios ou adquiridos de terceiros […] ou por decisão judicial transitada em julgado” para o pagamento de débitos com o Fisco, consoante autorizado pelo inciso I do § 11 do art. 100 da Constituição Federal[1].

Os créditos objeto da compensação trazida pela legislação em comento poderá abranger os débitos inscritos em dívida ativa até 31 de dezembro de 2021. As condições e abatimentos serão informados por meio de Edital a ser publicado no Diário Oficial do Estado, autorizando-se a regulamentação da indigitada Lei Estadual pelo Poder Executivo.

Em que pese a restrição da compensação aos débitos inscritos em dívida ativa ou parcelados, trata-se de norma benéfica aos contribuintes que se enquadram nos requisitos mencionados, os quais poderão valer-se de crédito de precatórios para adimplir eventuais débitos fiscais inscritos em dívida ativa, medida que homenageia o princípio da paridade de armas e da eficiência.

Há dúvidas se você ou sua empresa preenchem os requisitos para a compensação? Consulte-nos para maiores informações!

Lei Estadual nº 9.532/2021: Rio de Janeiro promulga legislação autorizando ao contribuinte o pagamento de débitos inscritos em dívida ativa ou parcelados por meio de precatórios próprios ou adquiridos de terceiros


[1]Art. 100. Os pagamentos devidos pelas Fazendas Públicas Federal, Estaduais, Distrital e Municipais, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronológica de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos, proibida a designação de casos ou de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para este fim.

Omissis

§ 11. É facultada ao credor, conforme estabelecido em lei do ente federativo devedor, com auto aplicabilidade para a União, a oferta de créditos líquidos e certos que originalmente lhe são próprios ou adquiridos de terceiros reconhecidos pelo ente federativo ou por decisão judicial transitada em julgado para:

I – quitação de débitos parcelados ou débitos inscritos em dívida ativa do ente federativo devedor, inclusive em transação resolutiva de litígio, e, subsidiariamente, débitos com a administração autárquica e fundacional do mesmo ente;

Marcio Miranda Maia, Ruy Campos e Paloma Palermo

Posts relacionados

Emanuelle De La Noce Fernandes

FORMAÇÃO
• Graduada em Direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP)
• Pós-Graduada “lato sensu” em Direito Processual Civil na Pontifícia Universidade Católica (PUC)

ATUAÇÃO
Advogada com formação em Direito Processual Civil e com larga experiência nas mais variadas disputas judiciais cíveis, ante a tribunais estaduais e federais de todo território nacional, bem como em tribunais superiores em Brasília. Plenamente capacitada à elaboração e negociação de contratos comerciais, civis e imobiliários das mais diversas naturezas. Atuação em processo de estruturação e reestruturações de sociedades.

Natália Rebouças Wolfenberg Winand

FORMAÇÃO
• Graduada em direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP);
• Pós-graduada “lato sensu” em Direito tributário na Fundação Getúlio Vargas (FGV)
• Pós-graduada em direito penal econômico na Fundação Getúlio Vargas
(FGV)

ATUAÇÃO
Advogada sênior com mais de 10 anos de formação e expertise em Direito Penal, com ênfase em Direito Penal Econômico. Com atuação em todas as fases processuais desde o inquérito policial até a fase executória e com alta aptidão para celebração de acordos de não persecução penal, bem como para a resolução de diversos outros temas ligados ao Direito Penal, em todo território nacional.

Ruy Fernando Cortes de Campos

FORMAÇÃO
• Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Pós-Graduado “lato sensu” em Direito Tributário na Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Especialista em Gestão de Operações Societárias e Planejamento Tributário pela Faculdade Brasileira de Tributação (FBT);
• MBA em Gestão Tributária pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis – (Fipecafi);
• Graduando em Ciências Contábeis pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis (Fipecafi)
• Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo

ATUAÇÃO
Advogado com sólida formação em Direito Tributário e experiência de 18 anos na área. Forte atuação no contencioso estratégico com alta efetividade na resolução de litígios fiscais perante os tribunais administrativos e judiciais. Ampla visão estratégica em temas de consultoria fiscal nacionais e internacionais, especialmente dos setores industrial, comercial, agronegócio, bebidas e prestação de serviços.