Princípio da insignificância pode ser aplicado em casos de sonegação fiscal de tributos estaduais em São Paulo

11_02

Princípio da insignificância pode ser aplicado em casos de sonegação fiscal de tributos estaduais em São Paulo

Em recente julgamento proferido pela 12ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, um contribuinte acusado de sonegar aproximadamente R$10.700,00 em Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) teve seu processo trancado por unanimidade de votos, com base no princípio da insignificância penal.

Nesta toada, o Supremo Tribunal Federal (STF) havia se posicionado no sentido de que aplicar-se-ia o disposto no Artigo 20 da Lei 10.522 de 2002, que estabelece a aplicabilidade do princípio da insignificância em relação à sonegação de tributos federais quando inferiores aos montantes executados pela Fazenda Pública, que atualmente possui como parâmetro o limite de R$ 20.000,00 para que seja presumida “ofensividade mínima da conduta do agente, reduzido grau de reprovabilidade, inexpressividade da lesão jurídica causada e ausência de periculosidade social.”.

Outrossim, o tema possui, inclusive, entendimento pacificado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) através do Tema Repetitivo 157 “Incide o princípio da insignificância aos crimes tributários federais e de descaminho quando o crédito tributário verificado não ultrapassar o limite de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), a teor do disposto no art. 20 da Lei n. 10.522/2002, com as atualizações efetivadas pelas Portarias 75 e 130, ambas do Ministério da Fazenda.”.

Diante do exposto, o julgamento do Habeas Corpus Nº 2193888-65.2021.8.26.0000 realizado na Comarca de Campinas/SP levantou o questionamento acerca da aplicabilidade do princípio da bagatela no caso de tributos estaduais. O STJ esclareceu a matéria ao entender que, apesar da Lei 10.522/02 estabelecer parâmetro apenas para tributos federais, o mesmo entendimento deve ser aplicado no caso de tributos estaduais se houver lei regendo a matéria.

Com efeito, no caso de São Paulo, a Lei Estadual n. 14.272/2010 prevê hipótese de inexigibilidade de execução fiscal para débitos que não ultrapassem 1.200 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo – UFESPs, sendo que o valor unitário da UFESP no ano de 2021 é de R$ 29,09. Por conseguinte, o art. 1º da Lei Estadual 14.272/2010 possibilita que dívidas fiscais de até R$ 34.908,00 não sejam cobradas judicialmente.

Diante desse cenário, surge outra dúvida em relação ao tema, que seria a respeito de qual valor deverá ser considerado para fins de aplicabilidade do princípio da bagatela. O STJ tratou de resolver a questão ao entender que “o valor do crédito tributário objeto do crime tributário material é aquele apurado originalmente no procedimento de lançamento”, isto é, o valor livre de juros moratórios, correção monetária e eventuais multas.

Em síntese, créditos tributários de até R$ 34.908,00 referentes a tributos estaduais não podem ser cobrados judicialmente no Estado de São Paulo, sendo que, se houver ação cujo objeto seja tributo estadual com valor original inferior ao parâmetro fixado pela Lei Estadual n. 14.272/2010, esta deverá ser trancada por ausência de justa causa para a persecução criminal.

Autores: Marcio Miranda Maia, Caroline Garaude Ezaledo e Natália Winand

Posts relacionados

Emanuelle De La Noce Fernandes

FORMAÇÃO
• Graduada em Direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP)
• Pós-Graduada “lato sensu” em Direito Processual Civil na Pontifícia Universidade Católica (PUC)

ATUAÇÃO
Advogada com formação em Direito Processual Civil e com larga experiência nas mais variadas disputas judiciais cíveis, ante a tribunais estaduais e federais de todo território nacional, bem como em tribunais superiores em Brasília. Plenamente capacitada à elaboração e negociação de contratos comerciais, civis e imobiliários das mais diversas naturezas. Atuação em processo de estruturação e reestruturações de sociedades.

Natália Rebouças Wolfenberg Winand

FORMAÇÃO
• Graduada em direito pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP);
• Pós-graduada “lato sensu” em Direito tributário na Fundação Getúlio Vargas (FGV)
• Pós-graduada em direito penal econômico na Fundação Getúlio Vargas
(FGV)

ATUAÇÃO
Advogada sênior com mais de 10 anos de formação e expertise em Direito Penal, com ênfase em Direito Penal Econômico. Com atuação em todas as fases processuais desde o inquérito policial até a fase executória e com alta aptidão para celebração de acordos de não persecução penal, bem como para a resolução de diversos outros temas ligados ao Direito Penal, em todo território nacional.

Ruy Fernando Cortes de Campos

FORMAÇÃO
• Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Pós-Graduado “lato sensu” em Direito Tributário na Pontifícia Universidade Católica (PUC);
• Especialista em Gestão de Operações Societárias e Planejamento Tributário pela Faculdade Brasileira de Tributação (FBT);
• MBA em Gestão Tributária pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis – (Fipecafi);
• Graduando em Ciências Contábeis pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis (Fipecafi)
• Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo

ATUAÇÃO
Advogado com sólida formação em Direito Tributário e experiência de 18 anos na área. Forte atuação no contencioso estratégico com alta efetividade na resolução de litígios fiscais perante os tribunais administrativos e judiciais. Ampla visão estratégica em temas de consultoria fiscal nacionais e internacionais, especialmente dos setores industrial, comercial, agronegócio, bebidas e prestação de serviços.